Economia

Questões tributárias e trabalhistas são prioridades para empresas em 2017, aponta pesquisa

Levantamento anual promovido por TozziniFreire Advogados apresenta principais tendências do Direito Empresarial neste ano.

A terceira edição da “Pesquisa TozziniFreire – Perspectivas para o ambiente jurídico e econômico brasileiro em 2017” traz notícias positivas para o ano. Exemplo disso é o fato de mais da metade das empresas consultadas estarem de olho em oportunidades de fusão ou aquisição.

Os dados também revelaram que as companhias estarão mais atentas às questões de compliance, governança corporativa e concorrencial, três indicadores importantes sobre o nível de amadurecimento.

Já as perspectivas para o ajuste fiscal e para a reforma trabalhista e previdenciária podem ter sido vitais para que os assuntos tributário e trabalhista, respectivamente, estejam em primeiro e terceiro lugar na lista de prioridades máximas das empresas em 2017.

Estas e outras constatações fazem parte deste levantamento, que reuniu opiniões de 130 executivos de empresas de capital aberto ou fechado, públicas e privadas, brasileiras ou multinacionais, de diversos setores, como financeiro, infraestrutura, varejista, logística e tecnologia da informação, entre outros, localizadas em todo o País, inclusive no interior paulista.

Idealizado por TozziniFreire Advogados, o levantamento foi realizado em parceria com a revista Latin Finance e a consultoria europeia Management & Excellence (M&E), com apoio da Associação Brasileira das Companhias Abertas (Abrasca). A pesquisa teve como meta apresentar as tendências jurídicas para o ano de 2017 em 10 áreas.

Startups protegidas

Tema de primeira importância para cerca de 15% das empresas consultadas, a propriedade intelectual tem ido além dos modelos tradicionais de negócios e desempenhado papel preponderante no desenvolvimento das startups.

A proteção intelectual de ativos intangíveis, inerentes ao modelo de negócio das startups, é essencial para sustentar o crescimento dessas empresas e deixá-las mais atrativas para os possíveis investidores.

O primeiro passo é buscar um especialista no assunto que terá condições de investigar se a expressão, o produto ou serviço que  está se desenvolvendo precisa de proteção específica, registro ou se já estão protegidos por terceiros e dessa forma, evitará gastos de tempo e recursos em um item já registrado ou patenteado.

Informações: Carol Silveira Assessoria de Comunicação TozziniFreire Advogados Unidade Campinas

www.carolsilveira.com.br 

Mais detalhes na edição de 1ºSemestre/2017 da Revista RMC.

Mais Acessadas

Início