Jornalismo

Inteligência Artificial não vai matar nem salvar o jornalismo, mas quanto mais cedo entrar na redação, melhor

Leia o artigo do NIEMAN LAB

*Por Hanna TameezPoder 360

Os robôs não estão assumindo trabalhos de jornalistas, mas a redação deve se adaptar às tecnologias de inteligência artificial e aceitar que a maneira como as notícias são produzidas e consumidas está mudando, como ponta o novo relatório de Polis, o think tank de mídia da London School of Economics and London School of Economics and London. Ciência Política.

Na pesquisa global sobre jornalismo e inteligência artificial, “Novos Poderes, Novas Responsabilidades”, os pesquisadores perguntaram a 71 organizações de notícias de 32 países se elas usam a IA em suas redações e como, além de como esperam que a tecnologia tenha impacto na indústria da mídia. Como o que exatamente constitui a IA pode ser confuso, o relatório a define como “uma coleção de idéias, tecnologias e técnicas relacionadas à capacidade de um sistema de computador de executar tarefas normalmente exigindo inteligência humana”.

No momento, as redações usam a IA em três principais áreas: coleta, produção e distribuição de notícias. Dos entrevistados, apenas 37% têm uma estratégia de IA ativa. A pesquisa constatou que, embora as redações estivessem interessadas em IA para fins de eficiência e competitividade, elas disseram estar motivadas principalmente pelo desejo de “ajudar o público a lidar com um mundo de sobrecarga de notícias e desinformação, além de conectá-las de maneira conveniente a conteúdo credível, relevante, útil e estimulante para suas vidas. ”

“A esperança é que os jornalistas sejam turbinados por algoritmos, capazes de usar suas habilidades humanas de maneiras novas e mais eficazes”, disse o diretor fundador da Polis, Charlie Beckett , no relatório. “A IA também pode transformar redações de linhas de produção lineares em centros de informações e engajamento em rede, que dão aos jornalistas as estruturas para levar o setor de notícias à era da era dos dados”.

Embora a maioria dos entrevistados tenha dito que a IA seria benéfica, desde que as redações atendam às suas políticas éticas e editoriais, eles observaram que os cortes no orçamento resultantes da implementação da IA ​​poderiam diminuir a qualidade das notícias produzidas. Eles também estavam preocupados com o viés algorítmico e o papel que as empresas de tecnologia desempenharão no jornalismo daqui para frente.

“As tecnologias de IA não salvam nem matam o jornalismo”, escreve Beckett. “O jornalismo enfrenta uma série de outros desafios, como apatia e antipatia pública, competição por atenção e perseguição política. Talvez a maior mensagem que devemos tirar deste relatório seja de que estamos em outro momento histórico crítico. Se valorizamos o jornalismo como 1 bem social, fornecido por seres humanos para seres humanos, então temos uma janela de, talvez, 2 a 5 anos, quando as organizações de notícias devem passar por essa tecnologia. ”

Clique AQUI e assista um resumo em vídeo do relatório.

E aqui está uma breve resposta ao relatório de Johannes Klingebiel, da Süddeutsche Zeitung.

* Hanna’ Tameez é redatora da equipe do Nieman Lab. Antes de começar, ela trabalhou no WhereBy.Us e no Fort Worth Star-Telegram.

O texto foi traduzido por Samara Scwhingel (link). Leia o texto original em inglês (link).

O Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos que o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports produzem e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique AQUI.

Imagens: Divulgação

Mais em: Poder 360

Mais Acessadas

Início