Saúde

É possível a realização de neurocirurgia com cortes mínimos ou até mesmo sem. Entenda!

Doutor Mateus Dal Fabbro do Hospital São Francisco de Mogi Guaçu explica quais as vantagens da nova forma de se realizar uma neurocirurgia minimamente invasiva.

No final do mês de Janeiro, uma paciente do Hospital São Francisco de Mogi Guaçu de 36 anos descobriu que tinha um tumor na glândula hipófise ao investigar quadro de infertilidade. Os exames mostraram níveis baixos de hormônios e foi solicitado exame de imagem que revelou o problema. A moça também apresentou cefaleia crônica e para seu tratamento foi realizada uma neurocirurgia minimamente invasiva.

Esse nome é dado aos procedimentos neurocirúrgicos que envolvem menores aberturas cirúrgicas, remoções ósseas e manipulação cerebral, ou seja, é um pequeno trauma cirúrgico em um paciente quando comparado às técnicas cirúrgicas convencionais.

“São feitas minúsculas incisões – que são as aberturas – utilizando o endoscópio como ferramenta para visibilização e trabalho, permitindo o acesso às regiões profundas e escondidas com mínima manipulação dos tecidos mais superficiais”, explica o Doutor Mateus Dal Fabbro, neurocirurgião do Hospital. Para o caso da jovem, o acesso foi feito através das narinas, com a participação da equipe de otorrinolaringologia liderada por Dra Fernanda Cunha, sem necessidade de incisões e utilizando-se o neuroendoscópio.

Essas cirurgias são recomendadas para tratamento de casos de hidrocefalia, tumores hipofisários e da base do crânio, doenças da coluna, como hérnias discais e patologias neurais compressivas, como a síndrome do túnel do carpo. No Hospital São Francisco de Mogi Guaçu são realizadas de 5 a 10 procedimientos neuroendoscópicos ao mês. Até o momento, já aconteceram em torno de 150 procedimentos.

O neurocirurgião explica que, em geral, “estes procedimentos cirúrgicos são menos agressivos, permitindo uma recuperação mais rápida e alta hospitalar mais precoce quando se compara aos procedimentos convencionais”. Além disso, pode-se dizer que costumam ser menos doloridos e esteticamente vantajosos, por causa das menores incisões – ou nenhuma incisão no caso de acessos endonasais – , proporcionando uma maior satisfação ao paciente.

Sobre o Hospital São Francisco de Mogi Guaçu

Com mais de 30 anos de história, o Hospital São Francisco teve seu início em 1986 com um grupo de médicos que partilhavam do mesmo objetivo de criar um hospital moderno, com equipamentos inovadores e aliado a um atendimento de qualidade que que preza pelo conforto e bem-estar de seus pacientes.

O projeto inicial com 35 médicos-sócios hoje conta com mais de 100, além dos 600 funcionários, 7.500 atendimentos no pronto atendimento e as 600 cirurgias realizadas mensalmente.

Imagem: Divulgação – foto Olga Guryanova no Unsplash

Mais em: Hospital São Francisco e VIRA Comunicação

Mais Acessadas

Início