Esportes

Benefícios do Treinamento de Força para a Terceira Idade

Por Isadora Cristina Ribeiro – FEF/UNICAMP

Atualmente o Brasil esta passando por um envelhecimento da população, advindo da redução da taxa de natalidade e das melhorias de tecnologias em medicina. O envelhecimento populacional aumenta a expectativa de vida e o número não só de idosos acima de 60 anos, mas também de idosos longevos, acima de 80 anos. Juntamente com o aumento dessa população estão o aumento do número de doenças crônicas e uma maior demanda de gastos com a saúde do idoso derivada de investimentos governamentais em saúde.

A presença de doenças crônicas leva o idoso a ter uma menor qualidade de vida, devido a redução da sua funcionalidade, que é a capacidade de realizar tarefas básicas do dia-a-dia. Além disso, o idoso nestes casos tem tendência a diminuir sua interação social e a desenvolver problemas psicológicos tais como depressão e ansiedade. Tal fato nos leva a reflexão: “De que vale viver mais anos se não forem vividos com qualidade?”.

Nesse sentido, a atividade física mostra-se aliada a melhora dos sintomas das doenças crônicas, auxilia em alguns tratamentos e também age de forma preventiva para aqueles que ainda se encontram saudáveis. Os exercícios aeróbios, tais como caminhadas, ciclismo e natação são recomendados para idosos pelo Colégio Americano de Medicina do Esporte (ACMS) para a obtenção destes benefícios. 150 minutos semanais são suficientes para provocar no organismo respostas frente ao exercício que proporcionam melhora da saúde. Entre elas, mais funcionalidade ao organismo, melhora do retorno venoso e consequentemente do sistema cardíaco, melhora do sistema respiratório, maior disposição, melhora dos quadros psiquiátricos, entre outros. A atividade física pode trazer ainda o componente de interação social, melhorando o quadro de socialização e o componente de bem estar geral melhorando a qualidade de vida do indivíduo.

O treinamento de força, conhecido popularmente como musculação, também é recomendado nessa faixa etária e também promove benefícios à saúde. Além dos já citados (que são oferecidos por ambas as atividades mas em proporções diferentes) o treinamento de força age diretamente na prevenção de perda de massa magra e na ajuda da manutenção da mesma. É científicamente comprovado que após a meia idade a massa muscular diminui gradativamente e a prática da musculação pode evitar a piora ou ajudar a manter os níveis de massa muscular evitando quadros graves de sarcopenia. Age ainda contra a perda de força muscular, o enfraquecimento dos ossos e das articulações e consequente na melhora da capacidade funcional do idoso e na diminuição do risco de quedas. Além disso, traz como bônus a melhora da cognição do idoso, favorecendo a memória.

A crença de que o idoso não pode fazer atividades com peso é antiga, mas não é veridica. A ciência demonstra que os benefícios são inúmeros, mas claro, se feito da forma correta e segura, sem exageros. Assim como para qualquer exercício existem algumas ressalvas: 1. antes de iniciar qualquer atividade física obtenha uma liberação médica, faça os exames e avaliações solicitadas. 2. Faça somente atividades recomendadas para o seu nível de condicionamento físico: sedentário, iniciante, moderado ou avançado. 3. Siga as recomendações de um profissional de educação física para fazer os exerícios certos, de forma correta e com segurança.

O ACMS recomenda para esse tipo de modalidade duas sessões semanais de duração média de 40 minutos, de preferência em dias alternados para que haja uma boa recuperação muscular. Mas é claro, essas recomendações variam de acordo com a idade, o tipo físico, o condicionamento e os problemas de saúde de cada pessoa, por isso o acompanhamento profissional é indispensável.

O ideal para alcançar todos os benefícios propostos pela atividade física é alternar a prática de exercícios aeróbios com anaeróbios (musculação por exemplo). Este é um método acessível e eficaz para melhorar a saúde, prevenir doenças e atingir uma boa capacidade funcional e qualidade de vida em idades avançadas. Quanto ao momento ideal para dar início a prática, a recomedação é: “o quanto antes”.

Imagens: Divulgação – FreePik

Mais em: FEF-UNICAMP

Imagem: Divulgação – FreePik.

 

Mais Acessadas

Início