Trabalho

Quem são os profissionais que estão na linha de frente nessa pandemia

A Covid-19 trouxe a valorização e o reconhecimento do trabalho dos profissionais da área da saúde.

O Coronavírus, como muitos especialistas em diversas áreas afirmam, trouxe ao mundo o novo olhar. A frase que é divulgada amplamente em diversos meios de comunicação é: “vamos nos acostumar ao novo normal.”

Nesse novo normal vem a valorização e o reconhecimento do trabalho dos profissionais da área da saúde. “Os profissionais da enfermagem, que há séculos não foram reconhecidos no país hoje são vistos como heróis” afirma a enfermeira, Daniela Spano,  e completa “a missão da profissão sempre foi de salvar vidas, nós estamos na linha de frente e nosso desafio é diário independente da doença e agora ficou mais evidente essa responsabilidade em ajudar a combater essa pandemia em cada paciente infectado.”

O papel do enfermeiro está com o paciente em todos os momentos, desde o nascimento até a morte. Com milhares de casos no mundo a pandemia trouxe à tona a exposição do trabalho dessa categoria.  Daniela afirma que nesse momento esses trabalhadores da saúde têm feito a diferença em um contexto mundial. “Estamos trabalhando não apenas nas orientações de combate à doença e nas ações de prevenção, mas também na identificação das pessoas com sintomas, nos contatos diretos às pessoas infectadas, acompanhando-as por todo o tratamento, auxiliando no conforto, bem-estar e segurança, até o momento da alta ou infelizmente da morte”.

Em maio de 2020, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), divulgou dados onde já são 98 profissionais mortos pelo Coronavírus, ultrapassando os números dos estados Unidos, onde 91 profissionais perderam a vida no enfretamento segundo dados da National Nurses United (NNU). No mundo, já são mais de 260 mortes de profissionais, além de 90 mil infectados.

“A humanidade sempre enfrentou surtos com vírus. Com bilhões de pessoas no mundo é favorável que aconteçam pandemias. Em todas as epidemias como cólera, H1N1, AIDS, a enfermagem esteve sempre como protagonista.  Nós profissionais temos que nos atualizar, capacitar e dedicar diariamente sobre as novas doenças. Nosso desafio é diário, pois estamos lutando hoje e sempre com o invisível”, lembra a enfermeira.

No Brasil, segundo o portal Guia da carreira, o salário médio de um enfermeiro de UTI é de R$ 3.381 enquanto nos EUA, na Flórida, por exemplo, segundo o site Glassdoor o valor do salário chega U$ 7,136. “A enfermagem ganhou reconhecimento púbico e esperamos que agora o financeiro também seja repensado. Enfrentamos o desafio de estar na linha de frente durante um momento crítico para o sistema de saúde, para a vida de pessoas e por conta dessa desvalorização a falta de profissional”, finaliza Spano.

Imagem: Divulgação

Mais em: COFEN – Conselho Federal de Enfermagem e DINO

Mais Acessadas

Início