Economia

Crescimento econômico da CHINA impulsiona importação brasileira

Considerada pelo FMI como uma das maiores potências econômicas do mundo, a China é muito mais do que a nação das invenções. O país tornou-se o maior produtor mundial de alimentos e, hoje, domina o comércio on-line global. Tudo isso se deve, entre outros pontos, às constantes atualizações nos âmbitos trabalhistas e ambientais que o governo chinês tem feito para contribuir com um cenário comercial propício ao comércio exterior.

Como parte disso, a China segue uma linha de tributação cada vez mais parecida com a americana, reduzindo os impostos cobrados sobre as empresas. O resultado dessa postura é que a balança comercial da China vem apontando sólido superávit nos últimos meses, superando os números do mesmo período do ano anterior, segundo a Administração Geral Alfandegária chinesa.

Neste cenário, vale destacar o crescimento da presença do Brasil como parceiro comercial chinês. Só no primeiro semestre de 2019, por exemplo, foram US$ 20,7 milhões em importações, conforme os dados do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior e Serviços, reforçando que o país asiático continua sendo o principal parceiro comercial do Brasil, a frente, até mesmo, dos Estados Unidos – que fechou o semestre de importações em US$ 16,9 milhões.

Para o CEO da Serpa China, Ian Lin, mudanças no mercado chinês foram fundamentais para que os empresários brasileiros fizessem mais negócios com o maior país da Ásia Oriental. “A China é um dos principais polos industriais do mundo e sempre foi um forte aliado comercial do Brasil. Diversas políticas trabalhistas e ambientais têm sido implantadas como parte dos seus processos produtivos. Os chineses perceberam que se não fizessem isso, acabariam perdendo mercado”, relata o executivo, direto de Shanghai.

Para Lin, a China se antecipou e viabilizou novas políticas o que garantiu tempo hábil para se preparar e começar a investir em dois pontos importantes: automatização de processos e robotização. “As empresas chinesas que apostaram nessas tendências estão se tornando menos dependentes da força humana e, ao mesmo tempo, alcançando uma escala de produção sem precedentes. A chegada firme dos chineses serviu para contrabalancear os investimentos de outros países”, avalia.

Desta forma, a relação entre os empresários brasileiros e os fornecedores chineses deve ser firmada com muita cautela e negociação. Lin ressalta que, se a empresa provar para o fornecedor chinês que sua oferta é uma boa oportunidade de negócio, ela possivelmente garantirá um acordo comercial interessante e longevo. “Em meio a tantos países em ascensão na esfera do comércio exterior, a China continua se destacando como uma potência de peso para atividades de importação. O mercado chinês, atualmente, encontra-se em um processo gradual de estabilização”, afirma. Outros pontos importantes a serem destacados nessa relação são o custo de produção – prazo de pagamento – responsabilidade compartilhada e reengenharia do produto, que fazem com as relações comerciais com a China se tornem mais rentáveis e sem perda de qualidade.

Sobre a Serpa China
A Serpa China é uma consultoria de negócios voltada para empresas brasileiras e norte-americanas que desejam criar sólidas conexões com o mercado chinês. Fundada em 2015 e pertencente ao Grupo Serpa, a companhia tem escritórios em Shangai e Ningbo. Oferece serviços personalizados e atua para garantir que o cliente irá atingir seus objetivos de negócios com a China. Entre os serviços oferecidos estão: pesquisa de mercado e idoneidade de fornecedores chineses e estrangeiros, negociação, planejamento estratégico para projetos específicos, equipe regional – que garante proximidade e segurança durante todo o relacionamento com as companhias chinesas. Atua em diversos segmentos de mercado com destaque para os setores químico, embalagens/growler, garrafas de vidro, indústria de tintas, setor energético, alimentício (do Brasil para China), equipamentos industriais, cama-mesa-banho, autopeças e farmacêutica. Para mais informações acesse: Grupo Serpa.

Sobre o Grupo Serpa
O Grupo Serpa é um conglomerado de empresas brasileiras, americanas e chinesas que oferecem suporte 360° para concretização, manutenção e expansão de negócios internacionais entre Brasil, Estados Unidos e China. Criado em 1995, o Grupo Serpa está em 35º lugar no ranking da Fundação Dom Cabral (FDC) entre as empresas mais internacionais do País, além de participar do seleto grupo de companhias transacionais da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Tem a certificação AEO (Authorized Economic Operator) da Receita Federal do Brasil e atua como expert em projetos na área aduaneira e benefícios fiscais no comércio exterior. Também conta com frota própria para transporte rodoviário nacional e aluguel de conteineres, sendo referência em logística internacional e consultoria de negócios.

CEO da Serpa China, Ian Lin
Um dos principais especialistas sobre o mercado chinês, Ian Lin tem mais de 20 anos de experiência em relações comerciais e culturais entre Brasil e China e, atualmente, é CEO da Serpa China, consultoria de negócios voltada para empresas brasileiras e norte-americanas que desejam criar sólidas conexões com o mercado chinês. É responsável por oferecer o direcionamento dos projetos junto às equipes dos escritórios de Shangai e Ningbo.
Com o seu conhecimento já ofereceu consultoria a mais de 1.500 empresas, contribuindo para que os clientes atingissem os seus resultados de negócios. É especializado em desenvolvimento de negócios entre Brasil e China, atuando principalmente com abertura de companhias brasileiras na China e de empresas chinesas no Brasil, joint-ventures, transferência de tecnologia e avaliação de risco.
Lin é formado pela FATEC em processos de produção e tem especialização em Relações Internacionais pela Jiao Tong University Shanghai China. Sua origem latina e chinesa trouxe fluência em português, mandarim e espanhol, tendo morado na China, no Brasil, na Argentina e em Taiwan. A vivência multicultural e sua atuação em negócios entre países são diferencias que posicionam o executivo em destaque no mercado.

YouTube: Falando de China

Imagem: Divulgação

Mais em: Serpa, Planin e DINO

Mais Acessadas

Início