Cultura

Sesc SÃO PAULO estreia nova série de cinema com exibição GRATUITA de filmes em streaming

Confira nova grade da programação de música, teatro e debates ao vivo desta semana.

As transmissões podem ser acompanhadas pelo youtube.com/sescsp ou instagram.com/sescaovivo.  

Mais uma série integra a programação do SESC São Paulo ao vivo. Com estreia no último dia 4, o Sesc São Paulo dá início a uma série dedicada ao Cinema, com exibição de filmes em streaming (no formato FVOD – Free Video On Demand), na recém-lançada plataforma Sesc Digital, que passa a reservar um espaço exclusivo para as sessões, basta acessar sescsp.org.br/cinemaemcasa. Toda semana serão disponibilizados quatro novos títulos, entre longas e documentários, sempre a partir de quinta-feira, com acesso gratuito a qualquer hora do dia e sem necessidade de cadastro. Na estreia do novo serviço de streaming do Sesc São Paulo, a série Cinema #EmCasaComSesc exibe a cópia restaurada de Mamma Roma, de Pier Paolo Pasolini, cineasta cujas provocações se fazem ainda hoje mais necessárias. Além dele, o filme O Homem da Cabine, de Cristiano Burlan, inicia a programação de cinema nacional, dando ênfase a documentários, com a história deste profissional que silenciosamente projeta sonhos. Tem também O Pacto de Adriana, documentário chileno de Lissette Orozco, que nos leva a um impactante encontro com a verdade histórica da ditadura e seus efeitos na atualidade e a animação brasileira Historietas Assombradas – O Filme, de Victor-Hugo Borges, que dá início à programação voltada ao público infanto-juvenil. Os filmes estão disponíveis desde a última quinta-feira (4.6). A programação contemplará quatro eixos principais neste primeiro momento. Uma curadoria de clássicos do cinema, em sua maioria cópias restauradas e exclusivas na plataforma; uma seleção contemporânea internacional, com filmes que tiveram uma trajetória relevante em festivais no mundo todo e que merecem uma nova oportunidade de exibição ao público; uma janela dedicada ao cinema nacional, com  produções de grande alcance de público e filmes independentes que merecem maior espaço de exibição – haverá também destaque aos documentários, ponto forte na produção cinematográfica brasileira; e por fim,  uma seleção de filmes infanto-juvenis, visando a formação de público, desde os primeiros anos de vida, para a diversidade do cinema e ampliação do lastro de narrativas.

A iniciativa de oferecer filmes em streaming em sua nova plataforma digital reforça os aspectos que ancoram a ação institucional do Sesc São Paulo, garantindo o acesso a conteúdos da cultura a variados públicos. Com maior presença no ambiente online, o Sesc amplia sua ação de difusão cultural, de maneira acessível e permanente. O público ganha assim mais um espaço para contemplar, descobrir e redescobrir o cinema, a partir de grandes obras selecionadas, disponibilizadas online e gratuitamente.

Os filmes ficarão disponíveis por um período determinado, com alterações e novas estreias semanais a cada quinta-feira (considerando a semana de cinema de quinta à quarta-feira). Haverá ainda possibilidade de prorrogação da exibição, conforme a demanda do público, além de sessões especiais por períodos menores (como 24h, por exemplo). A curadoria do Cinema #EmCasaComSesc conta com a experiência do CineSesc, que segue fechado desde o mês de março, por conta da crise causada pelo novo coronavírus.

A série Música, sempre às 19h, estreia a grade desta segunda-feira (8) com dois grandes nomes do violino popular se encontram para relembrar as noites de Sesc Instrumental Brasil: Ricardo Herz e Vanille Goovaerts. A francesa, que também toca rabeca (instrumento de origem árabe, precursor do violino), e o brasileiro, que conquistou o posto de maior nome no violino popular no país, tocam um repertório que inclui composições próprias, clássicos do choro, valsa francesa, forrós, xote e outros gêneros. Na terça-feira (9), a cantora, compositora e violonista Badi Assad traz um show em que reúne os sucessos de sua carreira. Quarta-feira (10) é dia de viajar sem sair de casa com Carlinhos Antunes e Gabriel Levy, dupla formada há quase 30 anos. E na quinta-feira (11) o cantor e compositor Vidal Assis apresenta o show Negros Sambas, com repertório dedicado aos sambistas negros como Cartola, Paulinho da Viola, Dona Ivone Lara, Jorge Aragão e Elton Medeiros. As transmissões, sempre às 19h, podem ser acompanhadas pelo youtube.com/sescsp ou instagram.com/sescaovivo. No ar desde o dia 19 de abril, a série Música #EmCasaComSesc soma mais de 2,3 milhões de visualizações em 49 apresentações com importantes nomes da música brasileira, nos mais variados estilos.

A série Teatro, sempre às 21h30, traz nesta segunda-feira (8) Cláudia Missura em Paixões da Alma, baseado na filosofia de René Descartes. Dirigida e adaptada por Marcelo Romagnoli, a peça se passa numa cozinha, onde a atriz prepara um ensopado e dá a receita de como se proteger das paixões que atacam nossa alma. Na quarta-feira (10) Matheus Nachtergaele adapta a peça Processo de Conscerto do Desejo para formato intimista, intitulando-a ‘Desconscerto’. Na apresentação, o ator recita poemas de sua mãe, Maria Cecília Nachtergaele, que morreu quando Matheus tinha três meses de idade. Acompanhe as transmissões através do youtube.com/sescsp e instagram.com/sescaovivo.

A série Ideias, sempre às 16h, traz nesta terça-feira (9) o tema “Saúde indígena no contexto da pandemia”, debatido por Marivelton Rodrigues Barroso Baré, da liderança do Movimento Indígena do Rio Negro AM, e Douglas Rodrigues, médico sanitarista do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp. Na quinta-feira (11) o debate “Políticas culturais em tempos de pandemia: a realidade das cidades” joga luz a questões sobre o que está sendo feito na política para minimamente contornar os impactos da paralisação na arte e cultura. Presença de Sérgio Mamberti, Américo Córdula e Pedro Azevedo Vasconcellos. As conferências acontecem pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo, com participação do público e tradução simultânea para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

PROGRAMAÇÃO: Cinema #EmCasaComSesc a partir de 4 de junho

MAMMA ROMA

(Dir.: Pasolini, Itália, 1962, 116 min, 14 anos). Mamma Roma (Anna Magnani) é uma prostituta de meia-idade que sonha em mudar de classe social para poder voltar a viver com filho adolescente, Ettore (Ettore Garofolo). Ela faz de tudo para dar uma vida melhor a ele, mas o jovem não quer saber de estudar ou trabalhar e vive na rua com os amigos arruaceiros. Quando o passado de Mamma volta a atormentá-la, ela vai perceber que o recomeço é incerto e, talvez, inalcançável. Ficção.

O HOMEM DA CABINE

(Dir.: Cristiano Burlan, Brasil, 2008, 90 min, Livre). Entre o claro e o escuro das salas de projeção, existe um profissional pouco conhecido da plateia de cinema: o projecionista. A partir do microcosmo de uma sala de projeção, o documentário faz um registro da rotina desses trabalhadores, que possuem uma longa e solitária jornada de trabalho. Documentário.

O PACTO DE ADRIANA

(Dir.: Lissette Orozco, Chile, 2017, 96 min, 12 anos). Quando criança, Lissette Orozco tinha sua tia Adriana como um grande exemplo. Porém, ao descobrir que ela trabalhava para a polícia secreta do ditador chileno Augusto Pinochet, Lissette decide enfrentar Adriana para desvendar os segredos obscuros da história de seu país. Documentário.

HISTORIETAS ASSOMBRADAS – O FILME

(Dir.: Victor-Hugo Borges, Brasil, 2017, 90 min, Livre). Pepe é um menino de 12 anos que mora com sua avó, uma bruxa-empresária. Após descobrir que é adotado e que seus pais estão vivos, ele decide sair em busca deles, mas assim acaba atraindo a atenção de Edmundo, um vilão biomecânico que precisa de Pepe para concretizar seu enorme plano maléfico: usar a energia das crianças de sua espécie para atingir a imortalidade. Edmundo rapta a avó de Pepe, forçando o menino e seus amigos a resgatá-la em uma aventura pelo universo fantástico baseado no sucesso da TV “Historietas Assombradas (para crianças malcriadas)” e de quebra solucionar o enigma que gira em torno de seus pais desaparecidos e do passado sinistro de sua espécie. Animação.

Dia 8.6, segunda-feira.

19h: MÚSICA

Dois grandes nomes do violino popular se encontram para relembrar as noites de Sesc Instrumental Brasil: Ricardo Herz e Vanille Goovaerts. A francesa, que também toca rabeca (instrumento de origem árabe, precursor do violino), e o brasileiro, que conquistou o posto de maior nome no violino popular no país, tocam um repertório que inclui composições próprias, clássicos do choro, valsa francesa, forrós, xote e outros gêneros. Enquanto Herz traz em sua técnica no violino o resfolego da sanfona, o ronco da rabeca e as belas melodias do choro tradicional e moderno, Vanille soma à sua experiência em festivais de jazz na França a sua paixão pelo forró, que a levou a viajar pelo Nordeste brasileiro e a aprender rabeca com o Mestre Luiz Paixão.

21h30: TEATRO

Cláudia Missura está em Paixões da Alma, baseado na filosofia de René Descartes. Dirigida e adaptada por Marcelo Romagnoli, a peça se passa numa cozinha, onde a atriz prepara um ensopado e dá a receita de como se proteger das paixões que atacam nossa alma. A descoberta dos mecanismos do corpo, a dissecação dos sentimentos, a análise das emoções e dos sentidos são tratadas de forma clara e precisa, assim como na obra do filósofo francês que inaugurou a filosofia moderna. Baseada principalmente em três livros de Descartes – Discurso sobre o Método, Meditações e As Paixões da Alma, a peça tem classificação indicativa de 14 anos.

Dia 9.6, terça-feira.

16h: IDEIAS

Saúde indígena no contexto da pandemia

Nesse encontro serão discutidas as particularidades dos povos indígenas no contexto da Covid-19 como a economia e circulação de alimentos, medidas de suporte como água e medicamentos, ausência de saneamento básico, como administrar princípios culturais como os ritos fúnebres, dificuldades de adaptação das orientações para as diferentes línguas e estratégias de enfrentamento à epidemia.

Participantes: Douglas Rodrigues – Médico sanitarista do Departamento de Medicina Preventiva da Unifesp. Trabalha com populações indígenas em isolamento voluntário na Amazônia. Coordenou o programa de extensão da Unifesp em saúde indígena no Parque Indígena do Xingu. Marivelton Rodrigues Barroso Baré – Liderança do Movimento Indígena do Rio Negro AM. Presidente da Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro – FOIRN e integrante do Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19 criado pela Prefeitura de São Gabriel da Cachoeira.

Mediação: Marina Herrero – Indigenista, ativista em direitos humanos e sociedades tradicionais em risco e coordenadora do programa Diversidade Cultural, na Gerência de Programas Socioeducativos do Sesc São Paulo.

19h: MÚSICA

A cantora, compositora e violonista Badi Assad traz para a série Música #EmCasaComSesc um show em que reúne os sucessos de sua carreira. Com 16 álbuns lançados em todo o mundo e mais de 40 países visitados, ela foi eleita uma das melhores violonistas do planeta pela revista americana Guitar Player e é considerada como uma das mais significativas e expressivas violonistas da sua geração.

Dia 10.6, quarta-feira.

19h: MÚSICA

É dia de viajar sem sair de casa com Carlinhos Antunes e Gabriel Levy, dupla formada há quase 30 anos. Carlinhos é diretor da Orquestra Mundana Refugi, e Gabriel é integrante do grupo Mawaca, além de diretor da Magnífica Orquestra Paulistana de Músicas do Mundo. Ambos tocam juntos no grupo Kerlaveo, que une músicos do Brasil e Bretanha francesa. No show, a dupla apresentada composições autorais já conhecidas, bem como músicas e arranjos inéditos produzidos nesse período de isolamento.

21h30: TEATRO

Matheus Nachtergaele adapta a peça Processo de Conscerto do Desejo para formato intimista, intitulando-a ‘Desconscerto’. Na apresentação, o ator recita poemas de sua mãe, Maria Cecília Nachtergaele, que morreu quando Matheus tinha três meses de idade. “Poucas palavras se confundem tanto em nossa língua quanto ‘concerto’ e ‘conserto’. Aqui, elas se mesclam vertiginosamente”, explica o ator. “Quero consertar meu desejo com poesia, num concerto”. Ele define o monólogo como “um homem (que por acaso é um ator) diz no palco as palavras escritas por sua mãe. É só isso, se isso for pouco”. A peça não é recomendada para menores de 14 anos, e tem direção de Miriam Juvino.

Dia 11.6, quinta-feira.

16h: IDEIAS

Políticas culturais em tempos de pandemia: a realidade das cidades

A área da cultura vem sofrendo os efeitos da paralisação devido à Covid-19. Se a área já estava negligenciada pelo poder público federal nos últimos anos, com o agravamento de agora a situação tornou-se insustentável. O socorro econômico direcionado a espaços culturais, a artistas e demais profissionais avançou com o projeto de lei Aldir Blanc, proposto pela Câmara Federal e nela aprovada no dia 26 de maio. Ainda assim, é preciso olhar para a realidade das cidades, nas instâncias estadual e municipal, que são o lugar onde os sujeitos habitam e onde se gesta e realiza a ação cultural. O que está sendo feito nessas instâncias, de forma urgente, para minimamente contornar os impactos da paralisação? Quais são os desafios para evitar o aprofundamento dos danos que incidem sobre artistas, profissionais, coletivos, espaços e movimentos culturais organizados, relacionando também educação e comunicação? Essas perguntas ganham contundência ao notar que o Plano Nacional de Cultura, proposto há 10 anos pelo governo federal e hoje enfraquecido, apresentava metas vinculadas a três dimensões complementares da ideia de cultura: como expressão simbólica; como direito de cidadania; e como potencial para o desenvolvimento econômico. Embora ainda sejam realizadas conferências municipais e estaduais de cultura, para que a fruição aconteça, no registro da democracia e da liberdade de expressão, é preciso fortalecer as relações entre as estruturas artísticas, os criadores culturais e os públicos – eis um papel do gestor cultural para o fomento das atividades artísticas e culturais nas cidades.

Participantes: Sergio Mamberti – Ator, diretor, dramaturgo, artista plástico e produtor, que soma seis décadas de carreira como artista, militante e gestor cultural. Formado pela Escola de Artes Dramáticas (EAD) de São Paulo, construiu uma carreira de sucesso no teatro, cinema e televisão. Foi membro da Coordenação do Comitê de Cultura da Frente Brasil Popular para Cidadania, e no período de 2003 a 2013 trabalhou no Ministério da Cultura como Secretário da Secretaria de Identidade e da Diversidade Cultural. Foi também presidente da Fundação Nacional de Artes e Secretário de Políticas Culturais; Américo Córdula – ator, gestor e consultor em políticas culturais, com formação em Ciências da Computação. Também exerceu a função de secretário da Secretaria de Identidade e Diversidade Cultural e de Políticas Culturais no Ministério da Cultura entre 2005 e 1015, tendo trabalhado como assistente técnico na criação dos Planos Setoriais de Cultura para os povos indígenas e as culturas populares e na coordenação do processo de implementação do Plano Nacional de Cultura PNC e Pedro Azevedo Vasconcellos – secretário da Secretaria Municipal de Cultura e Relações Internacionais de São Leopoldo, no Rio Grande do Sul.

Mediação: Mauricio Trindade da Silva – gerente adjunto do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc em São Paulo e doutor em sociologia da cultura (USP).

19h: MÚSICA

O cantor e compositor Vidal Assis apresenta o show Negros Sambas, com repertório dedicado aos sambistas negros. Cartola, Paulinho da Viola, Dona Ivone Lara, Jorge Aragão e Elton Medeiros são relembrados na voz do cantor, que se destacou na nova geração da música popular brasileira. Vidal recebeu duas indicações ao 28º Prêmio da Música Brasileira com seu disco de estreia, Álbum de Retratos.

SOBRE AS SÉRIES #EmCasaComSesc

CINESESC

Um dos cinemas de rua mais queridos da cidade, o Cinesesc iniciou seu funcionamento em 21 de setembro de 1979, no número 2075 da rua Augusta, na cidade de São Paulo, e se dedica à missão de fomentar a difusão do cinema de qualidade, exibindo obras que muitas vezes ficam fora do circuito comercial nas salas de cinema e plataformas online. Sua programação inclui grandes e pequenas produções do mundo todo. Além de integrar o corpo de curadores em mostras especiais, o CineSesc também recebe festivais importantes do calendário cinematográfico paulistano, como a Mostra Internacional em São Paulo, Festival Mix Brasil e o Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, entre outros.  O cuidado com a programação tem reconhecimento do público e da crítica, que o elegeu, por diversas vezes, a melhor sala especial de cinema na cidade de São Paulo. Toda semana, sempre a partir de quinta-feira, tem quatro novos filmes para streaming: sescsp.org.br/cinemaemcasa. Fase Beta: as versões da plataforma do Sesc Digital encontram-se em fase beta, ou seja, novidades e melhorias serão implementadas a partir das interações que se desenvolverem entre o público e os recursos. Além disso, o catálogo será expandido periodicamente, englobando novas temáticas e linguagens.

Ideias

Com uma programação que abrange os mais variados temas da atualidade, a série Ideias, inaugurada em 13 de maio, promovida pelo Sesc São Paulo por intermédio de seu Centro de Pesquisa e Formação (CPF), reúne em uma conferência digital debatedores e um mediador, com a possibilidade de interação do público por meio de perguntas que são repassadas aos palestrantes. Com tradução simultânea em Libras, as transmissões ao vivo acontecem sempre às 16h pelo canal do YouTube do Sesc São Paulo.

Teatro

Lançada em 15 de maio, as transmissões teatrais (sempre às 21h30) acontecem com reconhecidos nomes das artes cênicas no país em espetáculos apresentados direto das casas dos artistas, todas às segundas, quartas, sextas e domingos. Acompanhe através do youtube.com/sescsp e instagram.com/sescaovivo. Até aqui, o Teatro #EmCasaComSesc apresentou 12 espetáculos a uma audiência que chega a 39 mil visualizações. Já passaram pela série os artistas Celso Frateschi, interpretando, de sua autoria, Diana, Georgette Fadel em Terror e Miséria no Terceiro Milênio, de Bertolt Brecht, Sérgio Mamberti em Plínio Marcos, Um Homem do Caminho, Ester Laccava com Ossada, Jé Oliveira em Farinha com Açúcar ou Sobre a Sustança de Meninos e Homens, de sua autoria, Gustavo Gasparani em Ricardo III, de Shakespeare, Lavínia Pannunzio com Elizabeth Costello, Grace Passô, interpretando Frequência 20.20, Denise Weinberg em O Testamento de Maria, Ailton Graça com Solidão, Cacá Carvalho em O Carrinho de Mão in A Poltrona Escura, Bete Coelho interpretando Mãe Coragem, Gero Camilo em A Casa Amarela e Eduardo Mossri apresentando uma versão do espetáculo Cartas Libanesas.

Música
Um show diferente por dia, todos os dias, às 19h. Acompanhe ao vivo direto da casa de cada artista. Desde o dia 19 de abril, o Sesc São Paulo vem oferecendo um show diferente por dia, todos os dias às 19h, ao vivo e direto da casa do artista. A programação foi pensada a todos que apreciam a boa música brasileira, em tempos de isolamento social por conta do novo coronavírus e que levou ao fechamento das unidades em todo o Estado para evitar a disseminação da Covid-19.

A série Música #EmCasacomSesc também tem sido uma oportunidade para promover o Mesa Brasil, programa que conecta empresas doadoras e instituições sociais para o complemento de refeições de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Criado há 25 anos pelo Sesc São Paulo e hoje em operação em diversos estados do país, a iniciativa está com uma campanha para expandir sua rede de parceiros doadores e ampliar a distribuição de alimentos, produtos de higiene e limpeza em meio à crise causada pelo novo coronavírus. Também engajados pela causa, os artistas têm aproveitado as transmissões on-line para convocar as pessoas, principalmente empresários e gestores, a integrarem a rede de solidariedade. Para saber como ser um doador, acesse o site mesabrasil.sescsp.org.br.

Até aqui, já passaram pela série de Música #EmCasacomSesc os artistas Zeca Baleiro, Chico César, a dupla Fernanda Takai e John Ulhoa da banda mineira Pato Fu, Roberta Sá, Paulo Miklos, João Bosco, Zélia Duncan, Hamilton de Holanda e Mestrinho, Rael, Mônica Salmaso e Teco Cardoso, Davi Moraes e Pedro Baby, Hélio Ziskind, Siba, Luciana Mello e Jair Oliveira, Marcelo Jeneci, Renato Braz, André Mehmari, Anelis Assumpção e Curumin, Ayrton Montarroyos e Edmilson Capelupi, Céu, Emicida, Dori Caymmi, Tulipa Ruiz e Gustavo Ruiz, Toninho Ferragutti, Ná Ozzetti e Dante Ozzetti, Josyara, André Abujamra, Luedji Luna e Zudizilla, João Donato, Joyce Moreno, Duo Siqueira Lima, Tiê, As Bahias e a Cozinha Mineira, Nilze Carvalho, Ava Rocha, Adriana Calcanhotto, Eduardo Gudin e Naila Gallotta, Hercules Gomes, Mariana Aydar, Lula Barbosa, Thaíde, Maurício Pereira e Chico Bernardes, Leila Pinheiro, Geraldo Azevedo, Cristian Bubu, Zé Renato, Filipe Catto, Edgard Scandurra, Teresa Cristina, Francis Hime com  Olivia Hime e Renato Teixeira. As apresentações atingiram uma audiência de mais de 2,3 milhões de visualizações, somando as páginas do Sesc São Paulo e dos artistas que transmitiram as apresentações.

+ Sesc Digital

A presença digital do Sesc São Paulo vem sendo construída desde 1996, sempre pautada pela distribuição diária de informações sobre seus programas, projetos e atividades e marcada pela experimentação. O propósito de expandir o alcance de suas ações socioculturais vem do interesse institucional pela crescente universalização de seu atendimento, incluindo públicos que não têm contato com as ações presenciais oferecidas nas 40 unidades operacionais espalhadas pelo estado. Por essa razão, o Sesc apresenta o Sesc Digital, sua plataforma de conteúdo!

Imagens: Divulgação

Mais em: SESC-SP

Mais Acessadas

Início